icone-de-lupa
BUSCA
h

Um caminho sem volta: pandemia e tecnologia mudam hábitos de consumo dos brasileiros

Edição Guia escolas

Por Rawlinson Terrabuio*

Que a pandemia mudou a rotina das pessoas ao redor do mundo, é inegável. Se falarmos de Brasil, que é um caso à parte e deve ser estudado separadamente, de um lado temos pessoas que já voltaram às suas atividades normais do dia a dia, e de outro temos um grupo, minoria, que ainda se mantém em distanciamento social. Mas tem uma coisa que ambos têm em comum: o aumento do consumo de produtos e serviços digitais.

De acordo com o levantamento “Panorama Covid-19”, realizado pela Globo, 90% dos entrevistados fizeram compras on-line durante o período de isolamento, sendo que, entre eles, 37% afirmaram que aumentaram o volume do consumo digital, se comparado ao período anterior à pandemia. Dentre esses serviços e produtos, um setor, em especial, chamou atenção. A procura por cursos digitais, que aumentou 200% nos seis primeiros meses do ano, segundo o Sebrae São Paulo.

Podemos relacionar esse comportamento a dois fatores. O primeiro pode ser porque as pessoas estavam em casa e buscavam alternativas para se distrair. Por outro lado, podemos associar a uma procura por especialização e destaque no mercado de trabalho, ainda mais em um período de crise, com empresas demitindo e colaboradores precisando se sobressair para manter a própria vaga ou concorrer a novas. O “Panorama Covid-19” embasa um pouco mais essa última versão, já que 62% das pessoas afirmaram ter medo de perder o emprego.

No setor de ensino de idiomas, vimos os números dispararem após o lançamento de cursos, até então presenciais, nos formatos híbrido e digital. A procura foi tão grande que, na contramão da crise, foi preciso aumentar o quadro de funcionários. Um pouco de alívio para quem buscava se alocar no pouco espaço disponível no mercado e otimismo para quem trabalha na área já que a educação foi uma das primeiras a ser atingida em cheio pelo coronavírus.

As crises, por mais duras que sejam, mostram isso: que é preciso inovação. A Covid-19 apresentou ao mundo uma nova forma de consumo de produtos e serviços, que provavelmente iria esbarrar em nós mais cedo ou mais tarde. Ela talvez tenha apenas acelerado o processo, em níveis desproporcionais. Mas uma coisa é clara: é um caminho sem volta. O digital permite acesso. O digital permite que uma pessoa que vive em uma cidade sem escola de inglês possa estudar o idioma. Permite que um médico afastado consulte seus colegas das grandes capitais. Permitirá as compras de Natal sem as aglomerações dos shoppings. Alguma dúvida de que isso se perpetuará?

*Rawlinson Terrabuio é especialista em tecnologia e CEO da escola de idiomas Beetools.

Publicação:

Sobre o autor

Vagner Apinhanesi

Jornalista na Editora Educacional.

Categorias

Mais lidos

  • Ausencia - celio

    Ausência nas aulas e justificativas: como a escola deve agir?

    Edição Guia Escolas
  • shutterstock_12780167(1200)

    Problemas de aprendizagem: Estudo revela que alunos acumulam defasagem durante o Ensino Fundamental

    Edição Guia Escolas
  • Habilidades

    O que é educação socioemocional?

    Edição Guia Escolas

MENSAGEM ENVIADA COM SUCESSO!

Agradecemos seu contato, responderemos em breve.

×