icone-de-lupa
BUSCA
sion - educação infantil

Profissional do Colégio Sion apresenta dicas de como trabalhar a Educação Infantil nas aulas on-line durante a pandemia

Edição Guia escolas

Em meio à pandemia de Covid-19 que se instalou no País, uma das iniciativas do governo para evitar o contágio e a proliferação do vírus foi fechar as escolas por tempo indeterminado. Tal medida fez com que o sistema educacional tivesse que ser adaptado ao ambiente digital, em busca de atender a essa nova realidade e dar sequência ao ano letivo. Apesar de o Ensino a Distância ser uma alternativa, os professores tiveram o desafio de se reinventar para apresentar o mesmo conteúdo, mas de uma forma diferente do que o habitual nas aulas presencias.

Diante disso, Paula Salmazzo, professora de Educação Infantil no Colégio Sion Higienópolis, lista algumas dicas do que pode ser feito para utilizar a tecnologia de uma forma positiva para interagir com alunos e pais nesse novo modelo de aprendizado.

“Antes de qualquer coisa, é importante ter em mente que a Educação Infantil é uma etapa da educação completamente diferente das outras. As crianças são muito pequenas e têm necessidades e características específicas, e é comprovado que seu processo de desenvolvimento acontece de forma lúdica, baseado nas brincadeiras e, principalmente, nas interações e relações. Por isso, as sugestões que tenho aplicado com os alunos são baseadas nessas premissas”, alerta a profissional.

Confira, abaixo, as dicas:

Atividades em família
Apesar de a tecnologia fazer parte da vida de muitas crianças antes mesmo da pandemia, o modelo de aula on-line fez com que pais e especialistas levantassem a questão sobre o tempo da criança em frente às telas. “Esse é um ponto muito importante pois, na Educação Infantil, por exemplo, sabemos que o corpo dos pequenos ainda está em formação. Com isso, eles não conseguem ficar sentados por muito tempo ou manter a atenção em uma atividade única por mais de alguns minutos. Se já é difícil nas atividades presenciais, imagine a distância”, explica Paula.

Para ajudar nessa questão, a professora utiliza a plataforma interna do colégio para sugerir algumas atividades que podem ser realizadas em casa e com os pais. Em cada uma delas, os responsáveis são convidados a compartilhar o resultado no mural on-line do aluno. “O retorno é muito positivo, pois essas tarefas colaboram para que as famílias ampliem seus laços afetivos, garantindo um momento especial de interação, e eles gostam de registrar essas experiências juntos”, explica.

Fotos, imagens e vídeos
Os estímulos visuais são muito importantes para as crianças logo na primeira infância, isso colabora no desenvolvimento e aprendizado. “Levando em consideração o fato de que meus alunos ainda estão iniciando o processo de alfabetização e não conseguem ler sozinhos, em cada proposta eu procuro escrever algumas orientações às famílias para ajudá-las na organização e execução da atividade. Em alguns momentos também utilizo fotos, imagens ou mesmo vídeos explicativos gravados, pois entendo que esses estímulos acabam sendo mais envolventes para as crianças”, conta a professora.

Vídeoconferência
Uma boa dica também é estudar as ferramentas para propor atividades dinâmicas, afinal os pequenos são estimulados pelo lúdico, pela brincadeira e pelo faz de conta. “Gosto de usar jogos com a minha turma, e a maioria deles trabalha a alfabetização matemática, como o bingo de números ou jogo das quantidades. Brincadeiras como forca ou leitura de histórias fazem parte de contextos de linguagem. Brincadeiras cantadas possibilitam o movimento do corpo. Passeios virtuais em museus (por meio do Google Arts and Culture) e nutrição estética com imagens também são algumas estratégias utilizadas.

Outro recurso é a criação de jogos on-line por meio dos sites educaplay e efuturo, com os quais é possível criar jogos personalizados de acordo com o assunto trabalhado com as crianças”, comenta Paula.

Atendimentos individuais
Esse é um ponto muito importante, que não deve se perder com o ensino on-line. Apesar da distância física, o professor precisa ter sensibilidade para notar o comportamento de cada aluno. “Fora das aulas com o grupo, também tenho feito atendimentos individuais com todos os meus alunos. Muitos demonstram certa vergonha em participar com a turma inteira, mas aproveitam esse tempo individual para me contar o que têm feito ou me mostrar objetos de interesse. É uma forma de estreitar os laços e manter o vínculo”, reforça.

O Ensino a Distância exige mais interação entre a escola e a família. Diante disso, o Colégio Sion Higienópolis segue com a sua proposta pedagógica que valoriza práticas voltadas à valorização do estudante como indivíduo, de forma a despertar o potencial de cada um.

Para saber mais sobreo o Colégio Sion, acesse https://bit.ly/30qPUxo.

Publicação:

Sobre o autor

Vagner Apinhanesi

Jornalista na Editora Educacional.

Categorias

Mais lidos

  • Ausencia - celio

    Ausência nas aulas e justificativas: como a escola deve agir?

    Edição Guia Escolas
  • shutterstock_12780167(1200)

    Problemas de aprendizagem: Estudo revela que alunos acumulam defasagem durante o Ensino Fundamental

    Edição Guia Escolas
  • Habilidades

    O que é educação socioemocional?

    Edição Guia Escolas

MENSAGEM ENVIADA COM SUCESSO!

Agradecemos seu contato, responderemos em breve.

×